sexta-feira, abril 21, 2017


Abril: síntese inalcançável

 

 

 

Já não há palavras

Que floresçam Abril,
 

Nem já há lágrimas

Que chorem Abril,

Pois já não há povo

Que sinta, nem saiba,

O que foi Abril!

 

 

Há palavras surdas

Que ferem Abril,

Há lágrimas fingidas que secam

Abril.

Há gente que já nem sonha,

Nem acredita

 Que neste País poderia Ter acontecido                              

 “Abril”.

 

Hoje todo o céu

É frio,

Nele Abril é um ponto,

Uma síntese

De um infinito

Sonhado.

Inalcançável.

 

 

 SF 25 Abril 2017

quarta-feira, abril 05, 2017



Sociedade de Geografia

É uma honra e vou aceitar.



Velho ou apenas um pouco gasto. Comecei tarde. A vida não o quis. E houve que galgar todos os degraus, à pressa.

No dia 20 de Abril ali estarei na Sociedade de Geografia

No próximo dia 10 de Maio será lançado, em Lisboa, o «Santa Maria Manuela»

No dia 10 de Junho lançarei a «Saga Maior»

E cá vou andando...e rindo....

Convidados os amigos para toda esta tralha de vida.

E para o ano, há mais....

Senos da Fonseca

segunda-feira, abril 03, 2017


Como vais da tua ofenditisse? 

Eu ofendi-me,

 Tu ofendeste-me,

 Ele ofendeu-me,

Nós! Vós! Elas!…

Todos!...se sentiram ofendidos….

Que raio de conceito de liberdade de expressão, têm estes «oficiosos» ofendidos.

Ora «bendes»…morriam se não «diktassem» ….

Assim vai o mundo. Perigoso.

Raios: o pior é a história do lobo….Ai se o não fora…

SF